Onde há amor há vida

Levava-a de braço dado, ajudou-a a atravessar a passadeira. Segurava-a com o cuidado de quem transporta a maior pedra preciosa. Com a paciência de quem tem todo o tempo do mundo, com mais amor ainda do que quando tinham pouco mais de 20 anos.
Os passos lentos e as rugas no rosto e nas mãos denunciavam a passagem do tempo, mas não os olhos. Esses tinham mais vida do que nunca.

Créditos da imagem: Direitos Reservados

Arquivo

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *