Um qualquer amanhã

É no intervalo dos teus silêncios que alimento a minha esperança, nas palavras que dizes com o coração que leio o meu próprio pensamento, na doçura do teu olhar que encontro o meu caminho. 
É nas tuas ausências que te imagino ao meu lado e a sorrir, sempre!
É no vazio que deixaste quando te foste embora que preencho a minha imaginação com pedaços da nossa história, cada vez mais gastos pelo tempo, memórias cada vez mais distantes.
Fazes-me falta… 
Mas nesta saudade que cresce a cada dia que passa, nestas reticências que colocaram entre nós, entre o que foi e o que pode vir a ser, há todo um espaço em branco que só o tempo pode preencher, há duas vidas que se podem voltar a cruzar num qualquer amanhã…

Créditos da imagem: Direitos Reservados

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *