No caos da cidade

Ela seguia em passos largos, firmes, mas serenos. Alheia a toda a turbulência de uma cidade em hora de ponta, que não tem um segundo a perder, com movimentos cronometrados, alheia a todo um ruído que nos impede de ouvir até o próprio pensamento.
Seguia, atenta aos pequenos pormenores de vida, às folhas que caíam das árvores, ao vento frio que soprava de Norte, aos pombos que procuravam comida no pequeno jardim.
Seguia de sorriso estampado no rosto. Por nada, em particular, por tudo, em geral. Acabara de reencontrar uma das suas melhores amigas e aquele abraço, e todo o carinho que sentiu, coloriu o seu dia. A amizade torna-nos melhores pessoas, pensou. É o equilíbrio de que precisamos no meio do caos em que se pode transformar a nossa vida. 
A cidade iria continuar feroz, mas ela seguia tranquila.

Créditos da imagem: Direitos Reservados

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *