Longe de tudo, perto de ti

Mal pousei os meus olhos em ti, soube que eras especial. Todo o meu corpo estremeceu quando reparaste em mim. Desviei os olhos, fiquei sem forças nas pernas. Mas, depois, ganhei coragem, embalada ao som da música que tocava, olhei de novo para ti e tu sorriste. Foi o quanto bastou para abrir os portões do meu coração que eu pensava estarem fechados para sempre.
Ali, a milhares de quilómetros do meu país, numa cidade estranha para mim, numa língua que eu mal pronunciava, longe de tudo o que eu conhecia, o meu coração sentiu-se em casa, perto de ti. Não houve barreiras entre nós, éramos apenas duas pessoas, um homem e uma mulher, livres para amar. E amámos. E fomos livres.
Regressei à realidade com o coração a transbordar de felicidade. Se tenho saudades tuas? Imensas! E sabes do que mais sinto falta? De me sentir em casa, na nossa casa.

Créditos da imagem: Ana Fernandes

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *