O que aí vem

Em vez de olhares para a porta que se acabou de fechar na tua cara, fixa-te na janela que está escondida a um canto. Em vez de olhares para um céu cinzento carregado de nuvens, que anunciam a tempestade, procura a lua que está a surgir no horizonte. Em vez de te contentares com o pouco que tens, com o assim assim, com o mais ou menos, luta para sentires o teu espírito repleto de gratidão, para te sentires fantástico, para te sentires a transbordar de alegria.
Em vez de insistires com o que não te faz bem, aceita o que a vida te está a tentar dizer. Mesmo que não compreendas agora, mais à frente vai bater certo e, nessa altura, vai fazer-se luz no teu coração. Em vez de te encolheres com medo de tudo e de todos, estica-te bem, mostra quem és, apenas como és e mais nada, com todas as tuas qualidades e todas as tuas fraquezas, como ser imperfeito que não procura a perfeição, antes a realização pessoal por um mundo melhor.
Em vez de culpares os outros por tudo o que de mau te acontece, talvez seja a hora de olhares para dentro de ti e fazer diferente da próxima vez. Em vez de te isolares nesse quarto vazio, abre a janela, sente o ar puro a fazer parte de ti. E sorri para o que aí vem. Há um mundo com vontade de te conhecer. Vais apenas espreitar ou fazer-te à vida?

Créditos da imagem: Jorge Pelicano

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *