Tailândia: um país de cores e de sorrisos

Há destinos que deixam marcas, que vão muito para além das fotografias que tiramos ou das recordações que adquirimos e guardamos num canto especial da nossa casa. Há destinos que ficam impregnados na nossa pele e que têm o dom de mudar pequenas coisas do que fazemos no nosso quotidiano, que têm o dom de nos mudar, de nos enriquecer. A Tailândia, envolta numa aura de mistério, é um desses destinos fortes e ricos em experiências, que nos fazem ter vontade de conhecer mais e, se possível, regressar e repetir.
Localizada no sudeste asiático, a Tailândia é um país que tem tanto de variado como de sumptuoso. E que, ao mesmo tempo, nos desarma pela simplicidade das suas gentes e da sua forma descontraída de viver a vida. Tem cidade para quem se quiser perder no caos de uma das urbes mais populosas do mundo; tem história e cultura, muito ligadas à religião que predomina neste território: o budismo; tem florestas de perder de vista, enriquecidas por uma fascinante fauna e flora, impérios de uma natureza que ainda se preserva intacta; e tem praias, que são autênticos paraísos, com tudo o que a nossa imaginação tem capacidade de criar e mais ainda, verdadeiros diamantes que todos devíamos tocar, pelo menos, uma vez na vida.
Começamos a nossa viagem pela cidade, pelo ruído do trânsito sempre congestionado da capital Bangkok. Mas é aqui que encontramos alguns monumentos que merecem uma visita. Na cidade dos tuk-tuk, andar de táxi também é uma opção, já que as viagens não são caras, embora os estratagemas dos taxistas para levarem os turistas a determinados sítios, previamente combinados com proprietários de estabelecimentos comerciais, quase nos fazem perder a paciência.
Mas, assim que colocamos os olhos no Templo de Mármore, compreendemos que vale a pena. O contraste com o exterior é absolutamente arrepiante. Estamos num local de oração e o silêncio é de ouro, assim como é obrigatório, e isso vale para todos os templos, deixarmos o calçado à porta. O nome deste local, construído em 1899, deve-se ao mármore italiano, principal matéria-prima do templo. Destaca-se, no edifício principal, a estátua dourada de Buda e, no claustro, cerca de meia centena de budas, que descrevem os diferentes estilos do budismo.
Seguimos para o Grand Palace, um enorme complexo protegido por um muro, de um lado, e pelo rio Chao Phraya, do outro. Construído no século XVIII sob as ordens do rei Rama I, foi a residência da família real tailandesa até ao século XX. Tem mais de 300 templos no seu interior, coloridos e imponentes, e bonitos jardins e pátios. Aqui, encontramos o Wat Phra Kaew, que significa Capela Real, onde se encontra o Templo do Buda de Esmeralda, que é, na verdade, feito de jade, considerado o mais sagrado do país. São milhares os turistas que, a todo o instante, entram e saem daquele local e, no entanto, sente-se a magia de um espaço especial de oração para os budistas. São impressionantes também os detalhes visuais e de cores variadas, da arquitetura dos vários edifícios que integram o complexo, como paredes forradas de pequenos pedaços de vidro e espelhos. Detalhes que tornam o todo ainda mais ostentoso.
Numa das poucas colinas da cidade, encontramos o Monte Dourado, mais um local de silêncio e oração. Temos de subir 318 degraus numa escada em espiral para ter uma ampla vista sobre a metrópole. É um lugar místico e não é dos mais procurados pelos turistas.
Depois de andarmos tanto a pé, o corpo pede descanso e é altura de conhecermos a ilha mais famosa da Tailândia: Phuket. Sim, continua a ser de uma confusão que nos atrapalha os sentidos, é muito turística, mas é aqui que percebemos por que é que a Tailândia é conhecida por ser o país dos sorrisos. Tem sol, temperaturas quentes e belas baías de areia clara e com água tépida. Não precisamos de mais nada.
Em vez de Patong, a mais procurada e festiva, escolhemos uma mais pequena e muito mais tranquila: a praia de Kamala. A densa vegetação dá lugar a um areal amplo, ideal para caminhadas relaxantes. Parece que estamos numa aldeia de pescadores, mas não nos falta nada. Temos várias opções de restaurantes, onde a comida thai é a protagonista e merece ser degustada, e temos inúmeros locais, que convidam às tão famosas massagens tailandesas. Vale a pena experimentar nem que seja para desacelerar o espírito e relaxar.
No meio do mar Andaman, encontramos um dos segredos mais bem guardados e valiosos. As ilhas Similan são nove pedaços de terra, com areia branca e fina, rodeados por águas límpidas e transparentes. Vale a pena fazer uma excursão para conhecer este pequeno paraíso recheado de corais, onde residem inúmeras espécies de peixes de todas as cores, qual arco-íris debaixo de água.
Para o fim, deixamos a viagem a Phi Phi Don, uma ilha maravilhosa e com praias deliciosas. Aqui, é importante fugir de zona central, muito confusa e barulhenta, e optar pela mais reservada. A natureza esmerou-se neste lugar com uma vegetação abundante e muito verde, com falésias de cortar a respiração, com areais extensos e tranquilos e com um mar calmo e relaxante, cheio de cor, cheio de vida e de boas energias.

Créditos da imagem: Helena Simão
Este texto integra a rubrica “Mundo” do portal SAPO Viagens.

Arquivo

2 Comments

  1. Setembro 7, 2017
    Reply

    What i don’t realize is actually how you are not actually much more well-liked than you may be right now. You are very intelligent. You realize therefore considerably relating to this subject, made me personally consider it from so many varied angles. Its like women and men aren’t fascinated unless it is one thing to accomplish with Lady gaga! Your own stuffs nice. Always maintain it up!

    • Helena Simão
      Setembro 8, 2017
      Reply

      Thank you for your comment!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *