Nuvens

As nuvens correm depressa, como os pensamentos. Vão e vêm. Tão depressa nos deixam ver com clareza como, a seguir, apenas permitem que vislumbremos fragmentos da realidade. As nuvens adensam as memórias, aquelas que nos marcam para sempre. Mas a beleza da paisagem que agora não vemos estará sempre lá. Como os sentimentos.
Mesmo que a distância seja maior do que o horizonte, será sempre mais pequena do que o amor. Mesmo que os olhos não consigam avistar, fixar e prender, o coração conseguirá sempre guardar, tocar, observar e amar. Não importa se o vento é mais forte do que o tempo ou se a maré é mais violenta do que o vazio.
O amor será sempre como a paisagem mais bela e mais cativante. O amor é o caminho e o destino. O amor é a procura e o encontro. O amor é o cume da montanha, mas também é o vale, a curva e a reta, o fim e o princípio.

Créditos da imagem: Helena Simão

 

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *