Longe

Quero-te perto e, no entanto, sei que estás longe, longe do meu olhar, longe do meu corpo. Estás do outro lado do horizonte, onde nunca te vou conseguir ver. Quero-te perto de mim e, no entanto, sei que preferes estar longe de mim. Amar tem destas coisas. Nem sempre se acerta. É preciso gostar, perder, sofrer, chorar para, depois, renascer, amar de novo.
Quero-te, nem que seja por um dia, por uma hora. Quero voltar a olhar para a tua alma, sem máscaras, sem filtros. Ela dir-me-á a verdade. Seja ela qual for. Não tenho medo. A nossa história foi muito mais do que um quando e um onde, foi muito mais do que um quase, foi o que nós quisemos. E, no entanto, deixámos de procurar o porquê e deixámos que nos afastassem. Fomos nós que o quisemos, sem que o consigamos explicar.
Mas ainda acredito que mais à frente, há algo para nós, há uma chama que não se apagou porque ainda há um brilho no olhar quando o meu coração soletra o teu nome. É preciso chover para que surja no horizonte um arco-íris. Espero-te sem hora marcada…

Créditos da imagem: Nathalie Aguiar

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *