Por vezes

Por vezes, custa aceitar que passamos de desejados a indesejados quase sem darmos conta, que passamos de pessoas especiais para alguém a pequenos fragmentos de um passado, que foi apenas ontem. Por vezes, é difícil ter de mudar de caminho porque nos trocaram as voltas, prosseguir viagem porque não havia mais nenhuma palavra para dizer.
Por vezes, custa ter de começar tudo de novo e ficar virada do avesso porque a vida se lembrou de nos surpreender. Por vezes, custa aceitar que fomos rejeitados e que não fomos tão importantes como gostaríamos de ter sido, custa perceber que as pessoas que nos magoam são as de quem mais gostávamos.
Mas, por vezes, é bom mudar, é bom termos espaço para novas experiências, para novas pessoas. É bom lembrar que estamos vivos e que isso, só por si, merece ser celebrado e que é bom não ter expetativas. Por vezes, acabamos por perceber que o sentido que parecia inverso, afinal, é o certo. E que o coração fica mais leve quando perdoamos e deixamos ir.

Créditos da imagem: Direitos Reservados

Arquivo

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *