O amanhã pode esperar

Pode esperar o sabor amargo de uma vida a que teimosamente sobrevivi. Pode esperar a sensação triste da derrota de um dia e de outro e de mais outro, como se não houvesse final no túnel da desilusão. Pode esperar o medo de tirar os pés deste chão que tão bem conheço e onde me sinto protegida. Pode esperar a falta de fé, num caminho que já se virou tantas vezes ao contrário.
Pode esperar a lembrança, a dolorosa lembrança de uma vida mais do que perfeita, que refletia amor e luz e paixão, até ao dia em que apenas restou vazio a mais e palavras a menos. Pode esperar o ponto final para a minha história, quando ainda tenho uma vírgula guardada para o inesperado.
Pode esperar a lágrima, mas não o sorriso. Pode esperar o adeus, mas não o «fica comigo». Pode esperar o sonho, mas não a ação. Pode esperar a saudade, mas não o coração. Pode esperar o frio gelado que entorpece todo o meu corpo, mas não o calor da esperança que movimenta os meus pensamentos.
Pode esperar a ansiedade de não estar à altura, de não corresponder às expetativas dos outros, de não conseguir alcançar a meta. E se estiver quase? E se, por pouco, não chegar lá? Estes pontos de interrogação podem esperar, tal como o amanhã, mas não o hoje. O agora não pode esperar.

Créditos da imagem: Patrícia Figueiredo

Este texto faz parte do novo livro “O Amanhã Pode Esperar”, já disponível em todas as livrarias. Se preferir, poderá receber a obra autografada, bastando enviar um e-mail para helenasimao@gmail.com.

 

Arquivo

2 Comments

  1. Setembro 7, 2017
    Reply

    I have been absent for some time, but now I remember why I used to love this site. Thank you, I will try and check back more often. How frequently you update your website?

    • Helena Simão
      Setembro 26, 2017
      Reply

      Thank your for your comment! I update my website almost everyday.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *